31 janeiro, 2012
Na hora de montar o canto da criança, o importante é garantir o seu aconchego. Para isso, você pode apostar em tons pastel, investir em cores mais fortes, lançar mão de adesivos, papel de parede, painéis... Veja as fotos abaixo e estimule a sua criatividade com projetos de arquitetos de diversas partes do país



Gêmeos
Destaque do espaço Casa Kids da Casa Cor 2009, o quarto no estilo provençal abusa do papel de parede. “Aconchego é a palavra-chave. Por isso, os tons suaves, os detalhes de madeira mel, o acabamento do berço de palha, os laços e os babados”, explica Glaucya Taraskevicius, arquiteta e autora do projeto, de São Paulo. Contrastando com a decoração tradicional, o ambiente possui câmera e um sistema de iluminação todo automatizado.

Romântico e descolado
Mais um exemplo de como usar cores fortes na decoração. Nesse caso, o efeito foi alcançado por meio de pintura na parede. “A ideia de fazer faixas de diferentes tamanhos foi para dar uma pitada moderna ao espaço”, explica um dos autores do projeto, o arquiteto Turíbio Santos, da Santos e Santos Arquitetura, de Recife. O profissional ressalta que, dessa forma, o quarto pode ser facilmente adaptado para um espaço de criança quando o pequeno crescer um pouco.

Unissex
Tiras assimétricas de adesivos de vinil compõem o trabalho feito na parede. “Elas foram colocadas manualmente uma a uma”, explica a arquiteta Maria Paula Giuliano, da loja de móveis para bebês Cameretta, de São Paulo. No berço, uma placa de acrílico garante o tom moderno e contribui para o aspecto clean, presente no restante do quarto. “Junto com os móveis brancos, ela dá leveza ao ambiente”, diz.

Simples e com estilo
Não é necessário comprar vários objetos de decoração para fazer um belo quarto. É o que prova este projeto da arquiteta Maria Paula Giuliano, da loja de móveis para bebês Cameretta , de São Paulo. “Ao usar uma cor intensa numa das paredes, o ambiente ganha personalidade”, diz. Para não carregar nas cores, ela manteve os móveis, a cortina e o tapete em tons claros. Na parede, peças de acrílico espelhado recortadas a laser dão leveza ao tom forte de roxo.

Safári
O ambiente criado pela arquiteta de Goiânia Mariela Romano mostra como é possível colocar todos os itens necessários num quarto pequeno. “A dica, para isso, é prestar atenção nas medidas e comprar sempre os móveis de menores dimensões. Qualquer centímetro fará diferença”, alerta. Destaque para a iluminação na parede: além de charmosa, ela é útil para a mãe.


Para ela
Especialista em quarto infantil, a arquiteta de Goiânia Mariela Romano usou o vermelho como base do projeto, mas tomou um grande cuidado. “Para não estressar a criança, a cor é aplicada de maneira mais intensa nos locais fora do alcance dos olhos do bebê”, diz. O painel de madeira com recorte de flores e acabamento de tecido é outro destaque do ambiente.

Iluminação funcional
O céu estrelado distrai o bebê e permite à mãe amamentar o pequeno no meio da noite sem acender todas as luzes. Também existem lâmpadas no roupeiro e no trocador. “Não é preciso atrapalhar o sono do pequeno para pegar algo nas gavetas”, explica a arquiteta gaúcha Daniele Cardoso, autora do projeto exposto na mostra Casa Cor Rio Grande do Sul 2009. Ela ressalta que optou por leds por serem uma iluminação mais barata e com menor gasto de energia.


Uma cor só
Procurando fugir dos tradicionais rosa e azul, Rubiana Teixeira, de Goiânia, elegeu o verde para o seu projeto exposto na Casa Cor Goiás. “Há a variação de tons mais fortes e mais fracos e uma mescla com o branco”, explica. Segundo a arquiteta, essa mistura tem como resultado um espaço com clima tranquilo, o que se refletirá no bem-estar do bebê. O mobiliário é composto de berço, poltrona, cama, armário, cômoda e um móvel de encaixe para micro-ondas, colocado no quarto para dar comodidade à mãe na hora de esquentar a mamadeira.


Provençal e moderno
A base do quarto é unissex: móveis claros, tapete verde, detalhe de madeira de demolição, papel de parede bege. São os acessórios que direcionam para um ambiente feminino. “Dá para adaptar facilmente para um quarto de menino. Basta substituir os ursos que saem do teto, as bonecas e as almofadas”, explica a arquiteta Kethlen Durski , de Curitiba, autora do projeto exposto na mostra Casa Cor Paraná. O toque descolado se dá em função do adesivo de parede, uma árvore estilizada que simboliza a vida.


Colorido
Móveis e paredes claras serviram de base a um trabalho bem alegre e chamativo. “Procurei fugir do tradicional e investir em algo mais lúdico”, explica a arquiteta Karina Leme , de Campinas, no interior paulista. O projeto participou da mostra Campinas Decor e foi criado para um menino, mas a escolha de cores e desenhos já foi pensada para acolher meninas também.








30 janeiro, 2012

Incorporar exercícios físicos ao dia a dia é importantíssimo. Veja então dicas de psicólogos para vencer a preguiça e começar a ginástica



Procure fazer academia acompanhada de alguém!
Foto: Dreamstime
Por que é tão difícil vencer a preguiça e começar a praticar atividades físicas? "A natureza humana tem a tendência de repetir os velhos hábitos e de resistir aos novos", explica a psicóloga comportamental Olga Tessari.

O que fazer, então? "São necessários no mínimo seis meses para que uma nova rotina vire um hábito consolidado. Enquanto isso, é preciso persistir, mesmo sem vontade", diz o psicólogo esportivo Rodrigo Scialfa. No fundo, a gente sabe disso, né? Mas não desanime. Você não precisa se conformar se alguma vez já fracassou ao tentar incorporar exercícios físicos ao seu dia a dia. Os psicólogos Olga e Rodrigo ensinam dez truques para fazer sua mente trabalhar a seu favor na batalha contra o sedentarismo.

Dicas dos psicólogos

1. Tenha um diário
Registre suas metas e sua evolução nas atividades físicas em um diário de papel, em um blog ou nas redes sociais. Compartilhar seus objetivos ajuda a não desistir deles e dá motivação nas horas difíceis.

2. Inspire-se em alguém
Cole na sua geladeira uma foto de corpo inteiro de uma mulher com quem você quer ficar parecida ou até um retrato seu do passado. Diga para você mesma que quer ser igual a ela.

3. Comece devagar
Nos primeiros dias de exercício, o corpo vai ficar dolorido. A dorzinha passa logo, mas pode ser o suficiente para desmotivá-la. "Para começar, meia hora por dia, duas vezes por semana, está ótimo", ensina a personal trainer Camila Lopes.

4. Crie metas realistas
Emagrecer 30 kg ou ter a barriguinha seca da Claudia Leitte são metas impossíveis a curto prazo. Mantenha o objetivo de longo prazo em mente, mas crie metas mais imediatas, como eliminar 1 kg ou perder 1 cm de barriga em algumas semanas.

5. Ganhe recompensas
Após cada meta superada, estabeleça um prêmio (que não seja comida). Pode ser uma roupa nova, um perfume, um passeio ou algo que deixe você realizada e motivada para continuar perseguindo suas metas. Todo mundo precisa de motivação.

6. Encaixe o exercício físico na sua rotina
Se ama ver novela, não adianta fazer exercícios nesse horário. É mais fácil adquirir um hábito novo quando ele se encaixa no seu dia a dia. Se vai entrar numa academia, escolha uma perto da sua casa ou do trabalho.

7. Tenha uma "calça de referência"
Se você quer emagrecer ou afinar a cintura, acostume-se a provar toda semana a mesma calça. É mais fácil perceber as pequenas mudanças no seu corpo assim do que se olhando no espelho.

8. Exercite-se com prazer
Há dezenas de opções além de esteira, bicicleta e musculação: aulas de dança, caminhada, artes marciais, ioga, hidroginástica, capoeira, esportes coletivos... Mas, se após duas semanas ela continuar sendo um fardo, é hora de mudar para algo mais divertido. O importante é se sentir bem.

9. Procure companhia
Acompanhadas de alguém de quem gostamos, o tempo de exercício passa mais rápido e há mais estímulo para continuar. Se você não tem companhia, faça amigos na academia.

10. Pare de se sabotar
É comum deixar de fazer exercício em um dia e desistir de fazer no outro também. Pensamentos como "não cumpro nada do que prometo" seguidos de um sentimento de fracasso são típicos da autossabotagem. Se você deixar de fazer o exercício um dia, retome e siga em frente!
Fonte: Mdemulher


Conhecer as características de cada produto é fundamental para escolher o mais indicado



Bebida zero, pão light, sorvete diet... A quantidade desses alimentos disponíveis no mercado é grande, e na hora da compra é difícil saber diferenciá-los. Qual a melhor escolha para quem quer emagrecer? E para os diabéticos, qual o mais indicado? Esclareça agora essas e outras dúvidas!

Diet
Isento de determinado ingrediente em sua composição, o produto é desenvolvido para atender a consumidores com necessidades específicas. São pessoas que precisam de alimentos que eliminam ou substituem algum componente, como o açúcar (no caso dos diabéticos), o sal (para os hipertensos), o glúten (para os celíacos) ou a gordura (para quem tem colesterol alto). “É comum que o diet seja usado em dietas de emagrecimento, mas é preciso ficar atento, pois, às vezes, o valor energético desse item não é menor do que o da versão convencional. Há casos de produtos que não contêm açúcar, porém apresentam maior quantidade de gordura e, consequentemente, seu teor calórico é superior ao da receita original”, alerta a nutricionista Paula Fernandes Castilho.
Muitas vezes, também, os diet têm menor quantidade de açúcar, mas possuem muito sódio em sua composição. “Por isso, eles devem ser consumidos apenas quando houver necessidade”, avisa Paula. Para acertar na escolha, fique atento às informações do rótulo. Apenas a inscrição diet escrita na embalagem não é suficiente - a substância que foi retirada ou substituída na fórmula também deve estar especificada.

Light
É o produto com redução no valor calórico ou na quantidade de algum ingrediente da sua composição. “Não é preciso que ele tenha isenção total de certo componente, basta uma diminuição de, no mínimo, 25% de calorias ou de qualquer outro nutriente (por exemplo, açúcar ou gordura) em comparação à versão convencional”, explica a nutricionista. Ele é indicado para consumidores saudáveis, mas que buscam bem-estar, manutenção da saúde ou querem emagrecer.
É importante, no entanto, estar atento às informações do rótulo: o produto ao qual o light é comparado deve ser mencionado na embalagem. “E lembre-se de que o consumo exagerado de um alimento light pode resultar na ingestão de uma quantidade igual ou até superior de calorias, quando comparada ao consumo moderado de algo não light. Sendo assim, não exagere na dose!”, observa Paula.


Zero
A nomenclatura “zero” foi a última a integrar os termos empregados em embalagens de alimentos e indica que o produto apresenta restrição ou isenção de algum nutriente em comparação com a sua versão tradicional. “Se for isento de açúcares, ele pode ser consumido por diabéticos e por quem quer emagrecer”, afirma a nutricionista. É o caso de AdeS Zero, que possui o sabor de AdeS Original, mas não contém açúcar e apresenta em sua fórmula 27% calorias a menos do que sua versão regular. Por isso, seu consumo é indicado tanto para quem sofre de diabetes quanto para quem quer dar adeus aos quilos extras.


Quem sou eu

Minha foto

 27 ANOS, MAQUIADORA, CASADA, BUSCANDO VIVER OS PRINCÍPIOS DE CRISTO.

Seguidores

Instagram

Instagram

Fan Page

Tecnologia do Blogger.

Postagens populares